Rio de Janeiro
 
 
 


 

Problemática em Rio de Janeiro

A distribuição espacial dos 5,9 milhões de habitantes [1] do Rio de Janeiro reflete a desigualdade social reproduzida no território desde a década de 70. Os ricos concentram-se na zona sul; os pobres nas favelas e nas zonas norte e oeste - em loteamentos irregulares, com precárias condições de saneamento e transporte.

O déficit habitacional, estimado em 149 mil domicílios [2], é caracterizado pela coabitação e pelos domicílios improvisados, e corresponde em 78% dos casos a famílias com renda de até 5 salários mínimos.

Apesar da desaceleração do crescimento populacional nas últimas décadas, houve significativa transferência de população das áreas centrais para as favelas e para a zona oeste. Enquanto a população do Rio cresceu na ordem de 7%, nas favelas o crescimento foi de 20% [3].

Notas: [1] Dados IBGE Censo 2000. [2] Dados Fundação João Pinheiro 2000. [3] Armazém de Dados – Instituto Pereira Passos/PCRJ.

 
   
Moradia é central