Recife
 
 
 


 

Produção de habitação social no Centro

As intervenções habitacionais no Centro de Recife foram realizadas no âmbito dos programas PROMORAR (na década de 1980) e Morar no Centro (2000-2005) e, atualmente, estão previstas no Programa de Requalificação de Áreas Urbanas Centrais e no Projeto do Complexo Turístico-Cultural Recife Olinda.

Para os movimentos sociais e entidades que atuam na área, qualquer intervenção urbana e habitacional no Centro de Recife deve priorizar as áreas de concentração da população pobre (favelas e palafitas), que devem ser demarcadas e asseguradas como ZEIS (Zonas Especiais de Interesse Social), evitando a expulsão da população devido à valorização imobiliária e à atuação do mercado. Para a produção de novas unidades habitacionais devem ser utilizados prédios e terrenos, públicos e privados, que se encontram hoje abandonados na área central.

PROMORAR
O PROMORAR teve como objetivo promover a urbanização de favelas no Centro, com foco em Coque e Coelhos - áreas que historicamente sofreram pressões para a remoção de sua população. Apesar das ações de urbanização dessas áreas, o programa foi uma ação pontual de habitação no Centro e a área do Coque permaneceu urbanisticamente segregada. Além disso, os benefícios trazidos pelo programa à população pobre dependem hoje da demarcação e manutenção dessas áreas como ZEIS.

Morar no Centro
Em 2000, foi lançado o projeto Morar no Centro pela Prefeitura, com foco nos bairros do Recife e da Boa Vista. Foram levantados imóveis, resultando em 60 estudos para reforma pelo Programa de Arrendamento Residencial (PAR) da Caixa Econômica Federal. No entanto, a única experiência concreta foi a adequação do Edifício São José. Essa experiência, realizada no âmbito do PAR, atendeu apenas famílias com renda superior a três salários mínimos, excluindo as de mais baixa renda.

Programa de Requalificação de Áreas Urbanas Centrais
Em 2005, no âmbito do Programa de Requalificação de Áreas Urbanas Centrais, do Ministério das Cidades, a Prefeitura delimitou 11 perímetros de reabilitação integrada (PRIs) no Centro: São José (leste e oeste), Guararapes, Boa Vista, Ilha do Leite, Eixo da Av. Conde da Boa Vista, Soledade Unicap, Soledade Agamenon, Santo Amaro, bairro do Recife e Imperial.

No momento esta em fase de projeto a requalificação de um setor da Rua Imperial. Está previsto o re-assentamento inicial de 1050 famílias moradoras de palafitas das comunidades de Vila Brasil e Coelhos, às margens do Capibaribe, para o território da Rua Imperial. Destas, 200 unidades serão produzidas através da requalificação de imóveis abandonados, em processo de aquisição pela municipalidade. O objetivo é reassentar as famílias em situação de risco na própria área, e promover a recuperação ambiental da orla do rio.

Projeto do Complexo Turístico-Cultural Recife Olinda
Entre 2005 e 2007, as prefeituras de Recife e Olinda, o Governo do Estado e o Ministério das Cidades elaboraram o "Projeto do Complexo Turístico-Cultural Recife Olinda"; com o objetivo de reabilitar áreas pertencentes à União e remanescentes da atividade portuária e ferroviária. O Projeto prevê 1,5 milhão de m² de novas construções, dos quais cerca de 10% destinados à habitação, comércio e serviço. De 7.692 novas unidades habitacionais propostas, 1.824 (23,7%) serão destinadas ao mercado popular.



Palafitas
 

Grandes intervenções urbanas - Projeto Recife - Olinda


 
   
Moradia é central