Introdução    
Belém    
Fortaleza    
Recife    
Rio de Janeiro    
São Paulo    
 

Recife
 
 
 


 

Problemática em Recife

Recife tem 1,5 milhões de habitantes [1] e apresenta uma configuração urbana que expressa suas desigualdades sociais: os ricos ocupam as áreas planas e secas, os pobres os alagadiços e morros. Esses padrões de ocupação encontram-se lado a lado na cidade, e os processos de expulsão das comunidades pobres das áreas mais valorizadas para as periferias marcaram a história da cidade.

A resistência popular tem garantido a permanência de algumas dessas comunidades nas áreas centrais e na cidade como um todo: o município tem 66 Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS), o que representa 80% das favelas.

Mas o déficit habitacional ainda é de 47,3 mil moradias [2] e o acesso à infra-estrutura básica é deficiente: apenas 43% dos domicílios têm rede de esgoto [3]. Nesse contexto, o grande volume de imóveis desocupados no Centro apresenta-se como uma potencialidade para minimizar o problema habitacional.

Notas: 1. Dados IBGE 2007,  2. Dados IBGE 2000, 3. Dados Prefeitura Municipal de Recife, 2005



 

   
Moradia é central