Fortaleza
 
 
 


 

Plano Habitacional para Reabilitação da Área Central de Fortaleza

O "Plano Habitacional para Reabilitação da Área Central de Fortaleza" está sendo elaborado com recursos do "Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais" da Secretaria de Programas Urbanos do Ministério das Cidades, gerenciado pela Caixa Econômica Federal. A Fundação de Desenvolvimento Habitacional (Habitafor) é responsável pela elaboração do Plano em Fortaleza, com apoio da Secretaria Executiva do Centro (SERCEFOR) e do escritório Piratininga Arquitetos Associados, contratado pela Prefeitura para prestação de serviços. O Plano está sendo elaborado em 3 etapas: a primeira de planejamento e sensibilização das secretarias municipais; a segunda de diagnóstico técnico e comunitário; e a terceira de consolidação de propostas. Na etapa de diagnóstico foram levantadas informações sobre a altura dos prédios, o estado de conservação, o valor da terra, entre outras, em 338 quadras da área central. Foram identificados 23 áreas verdes, 36 imóveis considerados patrimônio arquitetônico, 10 equipamentos de saúde hospitalar, 140 estacionamentos e 660 imóveis vagos ou subutilizados, dos quais aproximadamente um terço tem potencial para habitação.

Atualmente está em curso a 3a etapa - consolidação do Plano Habitacional - na qual têm sido discutidas as diretrizes para todo o bairro, tendo como referência três setores estratégicos de intervenção, cada qual com potenciais programas habitacionais e diretrizes específicas. Apresentamos abaixo a descrição e as diretrizes para cada setor, com base em texto da Prefeitura Municipal de Fortaleza.

SETOR 1
O entorno do rio Pajeú é caracterizado pelo patrimônio arquitetônico e ambiental. O setor possui terrenos de maior dimensão, muitos ocupados por estacionamentos não regularizados. Além de aproveitar os espaços vazios ou subutilizados para moradia, o potencial das intervenções no setor deve trazer melhoria na drenagem e na rede de esgoto, valorização paisagística e a instalação de ligações entre o centro comercial e a área de moradia vizinha ao bairro Aldeota. A comunidade Poço da Draga, onde se encontram condições precárias de moradia, apresenta parte da demanda habitacional associada com esse setor estratégico.

SETOR 2
É privilegiado em termos de acesso. Foi escolhido porque as intervenções na área de corredor de transporte público de massa, pelo Metrofor (metroviário) e Transfor (rodoviário), trazem uma requalificação de espaços públicos, como calçadas e praças no entorno das novas estações do metrô que podem ser aproveitadas para beneficiar moradores no setor. O setor possui aproximadamente 16 cortiços com condições habitacionais precárias que apresentam parte da demanda habitacional associada com esse setor estratégico, além de uma demanda calculada em 100 unidades habitacionais para beneficiar moradores da comunidade Moura Brasil no limite ao norte do setor.

SETOR 3
Beneficiou-se nos últimos anos com investimentos para reforma de edificações históricas e na requalificação do Passeio Público ao longo da Rua João Moreira. Essa rua faz parte de uma rota turística e funciona como ligação chave na direção leste - oeste. O setor possui muitos estacionamentos e prédios subutilizados de menores dimensões. Uma intervenção no setor deve considerar estabelecer uma ligação entre o platô do Centro e a Orla Marítima.





 
   
Moradia é central